Dúvidas e Perguntas frequentes

Durante o teste, o ultrasonografista lança ondas de som e em alta frequência para dentro do útero, e essas ondas atingem o bebê. O computador traduz os sons de eco que são recebidos de volta em imagens de vídeo, que revelam então o formato do bebê, sua posição e seus movimentos.
Para facilitar, o profissional passa um gel sobre a sua barriga e depois um aparelhinho sobre o gel. 
Existe também o ultrassom intravaginal, usado no início da gravidez, até 11 semanas.
As ondas de ultrassom também são usadas no aparelho que os obstetras utilizam para ouvir os batimentos cardíacos do bebê.

Estudos realizados ao longo dos últimos 35 anos não mostraram nenhuma indicação de que a ultrassonografia seja prejudicial.
Ultrassons não envolvem radiação, como é o caso de raio-x.

O mais comum é fazer uma ultrassonografia por volta das 13 semanas (entre 11 e 14 semanas) e uma mais detalhada perto das 20 semanas de gestação, o chamado ultrassom morfológico. 
O ideal é fazer mais uma entre a 34a e a 37a semana, porém não há regra sobre o número total. E quem decide é o seu médico.
O exame pode ser feito a qualquer momento – no comecinho da gravidez, para descartar uma gestação ectópica, e bem perto do nascimento, para avaliar o nível de líquido amniótico, por exemplo.
Se, por algum motivo, só se puder fazer um ultrassom, melhor optar pelo da 20a semana.

Não entre em pânico. Muitas vezes um novo exame é realizado algum tempo depois e elimina a desconfiança de que haja alguma coisa errada. 
São raros os casos em que o bebê realmente tem um problema. Mas, se isso acontecer, as informações coletadas na ultrassonografia ajudarão os médicos a oferecer o melhor tratamento possível.
Saber com antecedência de eventuais problemas ajuda os médicos a terem tudo organizado para dar o melhor atendimento ao bebê logo depois que ele nascer.

Para realizar o exame de ultrassom, é necessário:

  • Deixar a bexiga cheia, bebendo-se 4 a 6 copos de água antes do exame, o que permite o enchimento da bexiga para melhor avaliação das suas paredes e seu conteúdo;
  • Jejum de pelo menos 6 a 8 horas, para que a vesícula esteja cheia, e seja mais fácil avaliá-la. Além disso, o jejum diminui a quantidade de gases no intestino, o que pode dificultar a visualização do interior do abdômen. 

Em pessoas com muitos gases ou com prisão de ventre, pode ser recomendado o uso de 40 gotas de Dimeticona, antes das principais refeições no dia anterior ou 1 hora antes do exame. 

O ultrassom de abdome total não é o mais indicado para detectar ou acompanhar uma gravidez, sendo que o recomendado é o ultrassom da pelve, que visualiza com mais detalhes os órgãos desta região, como útero e ovários nas mulheres ou a próstata no homem, por exemplo. 
Para detectar a gravidez na sua fase inicial, pode-se indicar ainda o ultrassom transvaginal, que é feito com a introdução do aparelho na vagina e visualizar com mais nitidez as partes dos úteros e seus anexos.

Normalmente, não é necessário qualquer tipo de preparo específico, sendo apenas recomendado levar roupa confortável e que possa ser retirada facilmente. No caso de a mulher estar menstruada ou ter sangramentos fora do período menstrual, é apenas recomendado remover o absorvente interno, caso esteja utilizando.
Em alguns exames, o médico pode pedir para fazer o ultrassom com a bexiga cheia, de forma a afastar o intestino e facilitar a obtenção das imagens e, por isso, os técnicos do exame podem oferecer 2 a 3 copos de água cerca de 1 hora antes do exame. Nesses casos, é apenas aconselhado que não se utilize o banheiro até realizar o exame.